WebMail  


Previsão do Tempo

20/11/2017 - Segunda-feira

Apucarana

29
18
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Aquidaban

29
18
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Bom Sucesso

30
20
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Borrazópolis

30
16
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Cambira

28
18
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Campo Alegre de Goiás

28
18
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Catalão

29
20
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Cristalina

26
17
temp.
iconemanhã
iconetarde
iconenoite

Mercado vê China mais aberta a importações de commodities agrícolas

13/07/2017 - 20:44:00 



Pequim, 13 - Diversas mudanças em regras para o setor agrícola da China vêm forçando o país a aumentar suas importações de grãos e outras commodities, o que deve beneficiar o setor produtivo em países como Brasil, Estados Unidos e Tailândia, dizem analistas.

Nos últimos três anos, a China aboliu o preço mínimo ao produtor para produtos como algodão, soja, milho e açúcar, o que resultou em menor produção doméstica dessas commodities. Em 2016, a produção de grãos caiu pela primeira vez em 13 anos, enquanto a produção de açúcar e algodão diminuiu mais de 25% nos últimos três anos. O efeito dessas quedas tem sido mascarado pelo governo chinês por meio das vendas de seus estoques internos. Mas essas reservas estatais vão se esgotar eventualmente, o que deve impulsionar a demanda chinesa por commodities de outros países.

A produção do país deve crescer menos do que a demanda, disse Andrzej Kwiecinski, analista sênior de política agrícola da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O país importaria mais grãos para ração, mais animais de corte e, eventualmente, mais frutas e vegetais, já que os crescentes custos trabalhistas tornam a China menos competitiva, disse Kwiecinski.

A política de suporte aos preços e de estocagem que a China está revisando foi introduzida no início dos anos 2000, para melhorar a situação dos agricultores locais, garantir a produção de commodities consideradas importantes e promover uma maior segurança alimentar. O preço mínimo era elevado anualmente para estimular a produção mesmo quando os preços globais recuavam. Ao mesmo tempo, os estoques do governo representavam demanda adicional.

Entretanto, em meados de 2014 o governo começou a enfrentar desafios, já que armazéns e silos estavam lotados e os preços domésticos eram bastante superiores aos praticados nos mercados internacionais. Mesmo assim, a China não conseguia atender à demanda interna.

A autossuficiência alimentar da China, que tem cerca de um quinto da população mundial e 10% das terras cultiváveis, ainda é uma prioridade para Pequim, sobretudo em produtos básicos como arroz e trigo. A política agrícola para outros produtos, no entanto, começou a mudar em 2014. Em anúncio naquele ano, o governo disse que a China precisava usar de forma mais racional os mercados agrícolas internacionais e estabelecer relações comerciais estáveis e confiáveis, acolhendo mais importações.

Fim do preço mínimo

Os primeiros preços mínimos a serem descartados, de forma experimental, foram os de soja e de algodão, em 2014. O reação no mercado foi imediata. Os preços futuros de algodão no mercado interno recuaram 30% em 2014, enquanto a produção diminuiu em 8% na safra 2014/15. Já os preços da soja no atacado recuaram 11% e a produção, 1,5% nos dois anos seguintes, à medida que agricultores migraram para o milho - que ainda tinha preço mínimo.

As importações chinesas de soja saltaram 29% desde que o país retirou o preço mínimo ao produtor. Com isso, os preços globais da commodity avançaram 5% em 2016.

O governo também parou de estocar açúcar, o que fez os preços domésticos recuarem 9%. Como resultado, a produção diminuiu quase 20% na temporada seguinte. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estima que as importações chinesas, tanto legais quanto ilegais, avançaram 18% para preencher esse déficit.

No ano passado, o governo disse que não iria mais garantir o preço mínimo do milho. Com isso, os preços domésticos do grão ficaram 44% abaixo do pico de 2015. O Ministério da Agricultura da China acredita que a produção vai cair mais de 2,3% no ciclo que termina em 30 de setembro, e outros 3,6% na temporada seguinte.

"Isso teve um efeito cascata nas commodities: primeiro o algodão, a soja e o açúcar; depois a colza e agora o milho", disse Fred Gale, economista do USDA especialista em China e comércio internacional. "Os esforços da China para estabilizar seus mercados domésticos contribuíram para a volatilidade no mercado internacional."

O impacto no mercado pode ser ainda maior com a redução dos estoques chineses e o aumento das importações. A China detém atualmente 54% das reservas mundiais de algodão, 45% dos estoques de milho e 22% do açúcar, de acordo com estimativas do USDA. Analistas acreditam que boa parte dos produtos está se deteriorando após anos armazenados em silos e galpões.

As reservas de açúcar podem ser reduzidas rapidamente, tendo em vista que o consumo chinês estimado para este ano e o próximo deve superar em 4,2 milhões de toneladas a produção doméstica e as importações. A diminuição dos estoques de milho deve levar mais tempo, já que a produção e a demanda estão equilibradas.

A China ainda gasta muito para dar suporte aos agricultores do país. Em 2016, o governo injetou US$ 246,9 bilhões no setor agrícola, o equivalente a 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com os dados mais recentes da OCDE. A parcela ainda é inferior aos 2,5% do PIB registrados em 2015, mas representa quatro vezes a média de países da OCDE. Boa parte desse montante vai para a política de preço mínimo para o arroz e o trigo, mas uma parcela cada vez maior está sendo direcionada para consolidação de terras, mecanização e pesquisa e desenvolvimento para melhorar a produtividade.

O governo ainda pode frear importações, como fez com açúcar e algodão, ou reverter mudanças que se revelem muito difíceis. Ainda assim, muitos observadores acreditam que houve mudanças, com maior aceitação de uma oferta global.

"Não acho que a China possa ser autossuficiente nos produtos que ela escolheu inicialmente", disse John Phelan, economista-chefe da Agrimoney. "Acho que eles reconheceram isso. Eles terão de recorrer a fornecedores externos para alguns desses produtos." Fonte: Dow Jones Newswires

Últimas Notícias

 
COOPERATIVISMO IMPRENSA
 
RECURSOS HUMANOS CONTATO
 
 
COCARI
COCARI - Cooperativa Agropecuária e Industrial
Rua Lord Lovat, 420 - Jardim Esplanada
CEP: 86975-000 - Mandaguari - PR
Fone: (44)3233-8800
Entre em contato conosco
Copyright © 2015 COCARI - Todos os direitos reservados